28 maio 2010

NOVAS DOS POP DELL' ARTE

Ritual Transdisco é o primeiro single e o tema de abertura de Contra Mundum, o novo álbum de originais dos Pop Dell'Arte. Dentro da linha musical da banda, cruzando as influências artísticas mais diversas num resultado único e original, Ritual Transdisco foi construído a partir de um poema fonético de João Peste - em continuidade com outros poemas de Peste, também de inspiração dada e futurista, como Querelle, Rio Line ou Turin Welisa Strada.

Este single encontra-se disponível para download gratuito no blog e myspace da banda a partir do dia de hoje!
http://popdellarte.posterous.com
http://www.myspace.com/popdellarte

A edição de Contra Mundum no dia 14 de Junho é a celebração de 25 anos duma carreira invejável, cujo reconhecimento da importância da banda tem sido notório ao ponto de estar sempre presente nas listas dos melhores álbuns portugueses de sempre ou das décadas respectivas da música portuguesa!

Uma carta que enviei para a revista Blitz e não foi publicada na revista de Junho 2010 (saída hoje)

Na Blitz n.º 47, de Maio de 2010, Luís Miguel Abreu conta a história do nascimento do álbum “Ar de Rock” de Rui Veloso.
Às tantas, nesse artigo, aparece uma citação de Francisco Vasconcelos (da Valentim de Carvalho) em que refere: “Com o Rui Veloso entrou o social e saiu a política da música popular”.
Ora, isto é um mito tão grande como o de dizer e escrever-se, ainda hoje, que Rui Veloso é o “pai do Rock português”.
Para além de Francisco Vasconcelos há muita gente que continua a proclamar esse mito aos quatro ventos. Bem se sabe que uma mentira mil vezes repetida, acaba por se tornar uma verdade.
Refira-se a propósito (e não é de mais lembrá-lo) que o álbum “Com as Minhas Tamanquinhas” de José Afonso foi, por um painel de críticos musicais da fornada pós- 25 de Novembro, considerado o pior disco do ano de 1976. Já nenhum desses críticos se deve lembrar disso porque, hoje, José Afonso é, quase unanimemente, considerado o maior génio criativo de todo o universo musical português.
Porque é que esse disco foi considerado o pior desse ano? Exactamente porque era um disco político, o mais político e datado de todos os discos de José Afonso, mas que ele, na sua coerência, considerava o seu melhor disco de sempre.
Quem ler as afirmações de Francisco Vasconcelos (e de outros que continuam a propalar o mito) fica com a ideia de que José Afonso e as suas canções eram presença habitual nos meios de comunicação social, da época pré-“boom” e pós -25 de Novembro. Pois, nada disso é verdade. José Afonso só foi convidado para cantar na RTP em 1981 e com a condição de só cantar fados de Coimbra, aquando do lançamento do seu LP “Fados de Coimbra e Outras Canções”.
Eu, que tinha 20 anos no ano do lançamento de “Ar de Rock”, lembro-me bem de ouvir na rádio os Arte & Ofício, os Perspectiva, os Tantra e tantos outros grupos portugueses de música Pop/Rock que nada tinham a ver com música política.
Devo dizer que eu nem sequer conhecia os Trovante, nem o Grupo Outubro, nem outros tantos cantores e grupos de música chamada de intervenção que surgiram no rescaldo do 25 de Novembro. No entanto conhecia e via ao vivo os grupos de Rock português que estavam em voga. Foi assim que, em 1978, apesar de viver na província, tive oportunidade de ver ao vivo bandas como os Faíscas, Arte & Ofício, Hosanna, Ananga-Ranga, Elo, Tantra e tantas outras, antes do lançamento de “Ar de Rock”.
Se é verdade que entre 25 de Abril de 1974 e 25 de Novembro de 1975 não existiu quase espaço para qualquer música fora do contexto político, também é verdade que, após o 25 de Novembro se passou o contrário, isto é, os cantores e grupos de intervenção passaram a ter o seu espaço reduzido no que se refere à transmissão da sua música nas rádios nacionais.
Rui Miguel Abreu já tinha escrito um artigo, intitulado “Rock Em Portugal Anos 70 Eléctricos & Revolucionários” na Blitz n.º 7, de Janeiro de 2007, que conta de uma maneira séria e honesta a história do Rock português pré-“boom”.
Há, portanto, uma aparente contradição entre o que refere Francisco Vasconcelos e o que foi escrito por Rui Miguel Abreu, na Biltz de Janeiro de 2007.

NÃO SEI DANÇAR O TANGO E CONHEÇO DE GINJEIRA O BLOCO CENTRAL

23 maio 2010

A capa de um EP de OS EXÓTICOS (anos 70)

A capa da cassette dos PIPPERMINT TWIST , de título "Colectânea 1985-1988"

Cartaz de um concerto dos RADAR KADAFI no Rock Rendez Vous (1985) (do blog O Velho Blitz)

Uma foto dos JOTTA HERRE (do blog yé yé ou ié ié)

Bilhete do concerto dos MÃO MORTA, no Coliseu dos Recreios

Uma foto dos PESTE & SIDA

Uma foto dos TANTRA, ao vivo no Coliseu dos Recreios , em 1978

A capa de um EP do CONJUNTO SOUSA PINTO (anos 60)

Uma foto dos FERRO & FOGO, em 1982

A capa do LP "Paulo de Carvalho" de Paulo de CArvalho (1971) que inclui temas pelos SINDICATO

13 maio 2010

O bilhete do Festival "Sons do Parque"

A capa de um EP de OS DUQUES (anos 60)

A capa do LP "The Songs the betales Gave away" que ibclui versões de "Penina" por JOTTA HERRE e Carlos Mendes

Uma foto dos TANTRA, ao vivo no Coliseu dos Recreios , em 1978

Uma foto dos STEAMER's na Boite Tosco, nos anos 60

A capa de um EP do CONJUNTO SOUSA PINTO (anos 60)

A capa do último álbum dos ANAQUIM

Uma foto dos PETRUS CASTRUS, no final dos anos 70

09 maio 2010

Bilhete da Tour 88 , dos XUTOS & PONTAPÉS

Uma foto da BRIGADA DO REUMÁTICO (do blog Hoje Há Punk Rock No Liceu)

A capa de um EP do CONJUNTO SOUSA PINTO (anos 60)

Uma foto dos regressados ALARME, em 2010

A capa de "Gladiador", o último single dos TRABALHADORES DO COMÉRCIO

OS STEAMER'S em frente ao velho Maxime, nos anos 60

A capa de um EP de OS DUQUES (anos 60)

A capa de um EP de O CONTROLE (anos 70)